Inovação em Modelo de Negócio

Para um grande número de empresas, inovação está associada a novos produtos. Mas na realidade a inovação de produtos é apenas um dos vários tipos de inovação possíveis. E, frequentemente, o mais fácil de ser copiado.

Por outro lado, a inovação a nível do modelo de negócios é responsável por grande parte das soluções diferentes que transformaram os mercados nas últimas décadas. Pense no modelo de negócios a partir dos componentes propostos por Alexandre Osterwalder, em seu livro “Business Model Generation”: proposta de valores, relacionamentos, canais, geração de receita, custos, parceiros, atividades e recursos. Agora imagine que você pode inovar em cada um destes componentes, ou em combinações deles. Para mim, essa é maior oportunidade que as empresas têm para inovar. 

fitas VHS

Um excelente exemplo é a Netflix. À época em que a Netflix nasceu (1997), o mercado de fitas VHS era dominante. Você abria uma conta em uma videolocadora e ia até a loja selecionar seus filmes, alugando-os por uma prazo determinado. Se houvesse atraso na devolução, você pagava uma taxa de atraso sobre o preço normal da locação. A Netflix percebeu duas coisas. Primeiro, que esse modelo poderia ser bem melhor para o usuário. E segundo, que os DVDs estavam ganhando espaço no mercado. O serviço inicial da Netflix foi então permitir ao usuário escolher seus DVDs online, através de um website, e então remetê-los por correio para a casa do usuário. Isso foi um grande salto para a época (inovaram no relacionamento, no canal e na oferta de valor).

Logo em seguida (1 ano após) este modelo evoluiu para um modelo de assinatura (inovação na geração de receita), em que o usuário tinha direito a receber um determinado número de DVDs por semana por uma assinatura mensal fixa. Seu maior concorrente na época era a Blockbuster, que demorou muito a oferecer um serviço similar. Mas quando isso aconteceu, a Netflix já estava inovando pela terceira vez em seu modelo de negócios, migrando para um serviço de streaming de vídeo online – algo em que estava à frente de quase todo o mundo. E descontinuando sua operação de locação de DVDs. 

A terceira inovação que a Netflix empregou foi quando se tornou seu próprio estúdio de cinema, criando seu próprio conteúdo, como a série House of Cards. 

Um dos motivos mais importantes pelos quais a Netflix tornou-se um modelo de negócios exponencial é que os fundadores tiveram a capacidade de olhar seu modelo de negócios na posição de um observador externo. Eles nunca ficaram satisfeitos com a forma que o modelo de negócios estava em um determinado momento, e estavam sempre olhando para onde o mercado se encaminhava nos 5 a 10 anos que se seguiam. Eles combinaram inovações em vários componentes do modelo de negócios, sempre procurando novas maneiras de resolver problemas para muitos clientes, e fazê-lo com serviços digitalizados (uma oferta baseada em dados) e usando uma abordagem enxuta.

Por exemplo, a Netflix aceitou já em 2007 que o negócio de aluguel de DVD não era mais lucrativo o suficiente. Eles entenderam que as pessoas não queriam apenas alugar vídeos, mas  que estariam dispostas a pagar por uma oferta maior e mais fácil de usar, pelo conforto de pedir um vídeo do seu sofá e por não ter problemas com a devolução dos vídeos. Eles previram a mudança, usaram sua experiência em TI para criar soluções digitais adequadas e a implementaram de forma enxuta. Essas mudanças mostram como a Netflix está disposta a destruir seu próprio modelo de negócios para inovar e ficar à frente de seus concorrentes.

Tenho certeza de que a Netflix já deve estar trabalhando em sua próxima iteração de como vai inovar seu modelo de negócios para continuar pressionando sua liderança. Alguém quer filmes de realidade virtual aí?

Leia Também:

NEWSLETTER:

Para garantir que você obtenha a melhor experiência no site, utilizamos cookies de acordo com nossa Política de Privacidade.